terça-feira, dezembro 04, 2012

Roer


A minha avó foi educada assim, a aguentar tudo, até a fome. Fome de alimento, fome de vida, fome de alma….  E, mesmo assim exigiu o divórcio, tinha mais de seis décadas de vida.
O machismo existe. Ponto. E toda a gente fala dele. E qualquer mulher em qualquer lugar do mundo já o sentiu. Na pele, na alma, nas entranhas.
Existe, porque tem que existir…. Faz parte, dizem todos.
Existe, porque efectivamente nós mulheres deixamos a coisa andar porque temos mais que fazer à vida, e somos fortes, e aguentamos tudo.
Nós mulheres, não temos que aguentar tudo, temos sim, que aguentar apenas o que queremos aguentar.
Nós mulheres, com éme daqueles grandes, daqueles émes de tomates até ao chão, podemos aguentar muita coisa, mas não o machismo.
Aquele machismo estúpido, arrogante, iletrado… completamente ignorante de todas as leis cívicas.
Porque fomos aclimatadas a que o homem se sente no topo da mesa, porque fomos costumadas, a que o homem desse a última palavra, porque fomos habituadas a que os homens violentassem as mulheres, e nós caladas. Na dor. Porque sim! Porque parece mal dizer aos seres humanos do nosso metro quadrado, que fomos violentadas. Humilhadas. E às vezes, existem as mulheres que têm coragem, e assumem. ‘Fui violentada’. Consequência do metro quadrado, o abandono.
E depois é um ciclo, uma bola de neve. E calam-se. Com medo. Daquele medo que nenhum vocábulo ocidental nem oriental sabe transmitir. Que nenhuma lágrima sabe espelhar. Porque é uma dor muito nossa. Que rói e rói. E mesmo depois de tudo ruido, torna a roer.
A minha avó pediu o divórcio tinha se calhar perto de sete décadas.

E foi aí. Que passou a roer. A vida.

 

1 comentário:

Anderson Silva disse...

Olá,nossa adoro esse blog,só tem artigo bom,sempre que dá estou passando aqui,depois que meu amigo me recomendo nunca mais deixei de visitar,alguem sabe me falar se assim aqui é bom www.softwarecelularespiao.org ? abraços,assim que der eu volto pra comentar aqui no blog