segunda-feira, maio 26, 2008

Bolso

Entrou no comboio.
Tinha um casaco verde-escuro, camisa branco sujo, gravata de cor discreta.
As calças estavam vincadas, como a testa.
Sentou-se, olhou pela janela. Lá fora um quase ninguém sem aceno.
Última chamada.
Olhou de novo. E partiu.
Verde. A paisagem era verde. Como aquela do Douro.
Mas, sem rio.
Á sua frente, um senhor calvo, mãos escuras.
Olhos de revolta.
Disse-lhe que precisava de saber quem era.
Ele que estava de olhos numa qualquer página de um conhecido clássico, não ligou.
O ‘mãos escuras’ insistiu.
“Precisa de saber quem sou.”
Tirou os olhos do livro.
Reticente.
O outro continuou:
“É como uma necessidade de atear fogo em mim mesmo.”
Ouviu-se um estrondo.
Uma qualquer pedra na linha.
“Existem pedras na nossa linha, ás vezes o problema não são as pedras mas, sim as linhas mal definidas.
As estruturas mal construídas.
As arestas mal limadas.
As mudanças não acompanham.”
E o clássico já não importava.
Ali estava ele, naquele comboio sem bilhete.
Naquela linha sem destino.
A ouvir um qualquer desconhecido a dizer que precisava de atear fogo em sim mesmo.
E não se calava.
“O que tem na mala, perguntou.”
Recordações, respondeu.
“No próximo apeadeiro deite a mala fora. Não espere pela estação, ela pode não chegar.”
Ele que até então estava de gravata… tirou-a!
Estava a sufocá-lo.
A estrangulá-lo.
A abate-lo.
E todas aquelas recordações, naquela mala cheia de autocolantes, sítios, pessoas, passagens, ora metade cheio, ora metade vazio.
O outro continuava.
“Um dia tive uma mala dessas, tinha um cinto castanho, eu apertava o cinto conforme as sensações, um dia apertei tanto tanto mas, tanto… que me esqueci de sentir, guardava tudo e no fim não vivia nada, hoje não tenho mala, tenho só este bolso… gosto deste bolso, é pequeno como eu… guardo o necessário para respirar..”
E o resto, perguntou.
“O resto dou ao vento.. “.
E saiu na próxima estação.
Ele era assim, de estações… as malas grandes só servem para apeadeiros.
Ainda hoje quando sinto o vento.
Lembro disso.
Não guardo, mas tenho um bolso que anda meio vazio.
Como as horas.

10 comentários:

besbertocharrua disse...

ai nha filha! quia dando-me acim um atáque do coração ca nha maria mais eu távames munte desesperádes por na dáres notíças... tás memo bém? agente camanda muntes bêjinhes acim de munta ternura.

OLHAR VAGABUNDO disse...

:) beijo vagabundo louca ...

o das caldas disse...

Para o dia 29 bilhetes a � 25 mas a receita � para a caridade!
Beijinhos das Caldas

mateo disse...

Que sadio reler-te... ainda que nessa incómoda posição!
O ar é fresco e não necessitava do rio Douro... Bastava a Serra e o Gelo!
Beijo daqui... quase ao lado.

Alexandra disse...

Que a aragem dessa Serra maravilhosa que aí tens pertinho, traga uma lufada de bons motivos para óptimos textos. ;)
bjo

o das caldas disse...

Rectifico: preço dos bilhetes a €2,50.-
2 beijinhos

Gaivota disse...

Primeiro: A banda sonora é perfeita. Muse no seu melhor.

Segundo: A escrita é muito bem ritmada e a imaginação não falta

Um beijo*

pipidebico disse...

"CARPAMUS DULCIA"
com ternura...

Pragancina disse...

É bom teres retomado a escrita, fiquei contente.
O texto é muito bom,a mensagem muito oportuna,a vida só tem sentido na medida em que a partilhamos,as recordações fazem parte dela,mas só valem se contribuirem para enriquecer a nossa relação com nós mesmo e com outros.
Continua.
Um abraço

APC disse...

Lá fora, um quase ninguém sem aceno.
[Nele,] um bolso meio vazio, como as horas.


Estranha, estranha... Há coisas que tu escreves, que eu gosto muito de ler!!! :-)

Fora!, o que há nas malas e nos bolsos, que enche o espaço de vazio ocupa o lugar dos sonhos!!!

PS - Vê lá se acentuas os "à(s)" como deve de ser. Onde é que já se viu, uma escritora consagrada'...!