quinta-feira, maio 29, 2008

Abstraio-me ordinariamente de mim.
Para me esquecer de ti.


Dizia ela no telhado, enquanto acendia mais um ventil.

9 comentários:

Francieli Rebelatto disse...

Abstraio-me por aqui também...apenas para esquecer...esmorecer...voltar a viver...

Beijos

besbertocharrua disse...

ó nha pernas atão quinda tás a pensár no gaijo? ólha quésta ã?
cum tânto gaijo mêmo bom canda por aí tu cága nêsse.
e muda pó filtre qué o melhóre queu fumo. tâmes munte cuntentes do teu regréço.
abracinhe meu e da nha maria

Ela disse...

"hoje vou correr à velocidade da minha solidão"


Lembrou-me a tua frase al berto.




Beijoo

Esplanando disse...

Gata em telhado de ventil quente?

Brain disse...

E...
De quantas abstracções vamos precisando nós nos dias que correm...

Quantas...

Um Beijo daqui,
Onde se sentem,
Saudades de ti.

Anónimo disse...

Encontrei-te hoje aqui. Nem sabia que existias. Estou desesperadamente triste. Abraça-me

pipidebico disse...

aqui, ali e acolá...
encontros inesperados são os mais engraçados.
até...........:D

Vieira Calado disse...

O comentário com sem asas vai de encontro a um poema (em movimento) que tenho lá para o fundo do blog.
Como é um gif, não posso aqui colocá-lo.
Mas se quiser ver...
Um abraço

lampâda mervelha disse...

Fumar um cigarro ao sol rodeado dos meus cães. Eu penso na vida. Eles... eles gozam o sol naquele descair de cabeça de quem se deixa adormecer em paz de alma... tanto que aprendo com eles.