quinta-feira, junho 25, 2009


4 comentários:

Mαğΐα disse...

Grafológicamente falando e depois de analisada a tua caligrafia tendo em conta a inclinação das letras, o espaço entre as palavras, o tamanho das letras, a direção das linhas, a forma das letras, a pressão sobre o papel e a pontuação e acentuação,
eu diria que as teses clássicas idealizam a ideia do pensamento abstracto de forma concreta. Ora, se é metafísico, como poderá ser real? Tenho para mim, que as ideias são como o orvalho. Quente de forma líquida. E. Bruscamente gelada de configuração sólida. Como aquela pedra, que dita o meio dia, no quarto para as duas.

Feita a análise e uma vez que eu não trabalho á bolix estás a dever-me 50€!

lampâda mervelha disse...

É tramado quando a tinta começa a falhar. Uma roller pen hmm hmmm.

Caligrafia curiosa, clássica! Não vou dizer mais senão faço concorrência à Magia e é uma chatice.

...
Um dia irei escrever uma tese sobre calhaus como eu.

a outra disse...

deslumbrante...
por vezes gostava de fazer comentarios mas fico intimidada com as tuas palavras e nao consigo escrever nada ... mas esta está demais
ate o meu amigo ficou encantado

£oµ¢o Ðe £Î§ßoa disse...

Não comento, continuo à espera da carta que me deves, e, não julgues que isto oculta a tua falta.

Tem que levar selo para valer.