segunda-feira, julho 06, 2009

Cafoné

Mensurável desregramento.
Entusiasma-me esta Lua.
Que nem é cheia, nem é vazia.
É um quase tudo.
E é esse quase que me delicia.
Que me confunde os sentidos.
Desarranja-me os gestos.
Os meneios.
Fico com o instinto parado.
Sem reacção.
De um arrojo q.b..
Engrenamento de uma qualquer coisa a puxar para o confortável.
É como um ‘cafoné’.
É.
É isso é.
Esta lua é como um ‘cafoné’.
Daqueles que nos lembramos sempre. Que ficam sempre.
Que nos sentimos sempre.
Nós.
Como se os caracteres do meu raciocínio não se importassem com nada.
E os sons de todas as paixões percebessem tudo.
Sem precedentes.
Nem antecedentes.
Assim. Apenas. Silêncio.

4 comentários:

Anónimo disse...

Gosto de ti...
de ti... gosto de muitas coisas...
a tua amizade ...o teu rir... e o teu abraço ... mas as tuas palavras deixam-me encantada

Marina disse...

Não gosto de "quases" que me confundam...

Mαğΐα disse...

Gosto de instintos entusiasmados, daqueles que pasmam com a força dos impulsos!

A Lua não está Cheia, a Lua está a trasbordar!!!

£oµ¢o Ðe £Î§ßoa disse...

É. Assim. Tanto.
Lua!


Gude naite per tê, Estranha persona.