quinta-feira, janeiro 14, 2010

Agulhas


Um destes dias, quer dizer… para ser sincera … foi hoje.
Eram umas seis e qualquer coisa da tarde.
[Eu sei que as cidadãs envolvidas são leitoras aqui do estamine, caso fiquem ofendidas com tais palavras, só têm dois trabalhos: ficarem ofendidas e deixarem de ficar]… continuando..
Hoje ao entardecer e para desanuviar a porra do trabalho, peguei num colar que estava perdido numa das gavetas da sala de professores, coloquei o dito colar a andei por ali de colar ao peito.
Nada de anormal. Não fosse eu menina que não usa colares, nem saltos de alto e afins.
Claro está, que as minhas ilustres colegas insistem na ideia, que um cérebro de uma mulher está na roupagem, adereços, perfumes e outras coisas tais. Pela sua ordem de ideias, aqui a ‘je’ é uma besta quadrada, com um cérebro de galinha. Pois sapatilhas, calças de ganga, mochilas e cabelo penteado com os dedos, nunca deram cérebro a ninguém.
Ora as ditas senhoras ficaram em êxtase, verem-me ali de colar foi altamente orgástico, finalmente eu era inteligente – usava um adereço dignamente feminino, a porra de um colar. Urra.
Ao fundo da sala ouvia-se: “Estranha pessoa esta, tu chegas lá… amanhã já vens de salto alto, e aí sim!”
Espectacular. Sensacional. Formidável. Estupendo.
Três anos naquela escola, a trabalhar que nem uma mula, e afinal de contas o meu reconhecimento profissional foi vinculado por um colar.
[Agora que me ponho a pensar no colar, é do restaurante chinês que fica do outro lado da rua. Ao almoço, pela altura do Natal, ofereciam um colar. Amarelo, enorme, cheio de brilhantes. Os crepes são bons, o vinho da casa é manhoso, e o empregado de mesa não sabe fazer trocos. Tirando isso, até se passa lá um bom bocado.]
Passado uma meia hora do desfile e orgasmo cerebral em que estava o meu cérebro, resolvi ler em voz alta um poema de um dos alunos (concurso de poemas que está a decorrer )… numa das estrofes lia-se qualquer coisa como: “ E nós embebidos em prazer, pousamos as línguas e bebemos as salivas…”
Do fundo da sala, ouvi: “ai que nojo, prazer… salivas… “.
Espectacular. Muito bom. Soberbo. Uma mulher para ser mulher, tem de usar colares que parecem adereços da árvore de natal, utilizar sapatos de agulha que fodem os pés todos (e ainda por cima tenho uma unha encravada, para ser franca são duas), tomar banho em perfumes mete nojo da loja de conveniência da esquina, estar de meia em meia hora a pentear-se, lambuzar a cara toda com tintas que não lembram nem ao menino Jesus.

MAS, SALIVA? PRAZER? Ahhhhhhh isso não!
Isso lá é coisa de mulheres?
Amanhã tenho que ir ás compras. É que com tanta informação que recebi hoje acerca da minha condição feminina, não vá eu olhar para o espelho e ter alguma dúvida sobre a minha sexualidade.

(Era para acabar este textozinho com um ‘Puta que as pariu’, mas acho melhor não o fazer… pois, não é próprio de uma senhora…)

15 comentários:

Anónimo disse...

Amei este :)

Eu também sou fã da ideia de pentear o cabelo com os dedos..
e adoro a tua maneira de encarar as coisas! São precisas mais pessoas como tu! E menos pessoas futeis como essas senhoras de que falaste que so pensam em acessorios!

Anónimo disse...

Bem, assumo-me como um "teu" leitor, com o maior prazer, e adorei este teu raciocinio e forma de ver as coisas e dizer, claro:)
Concordo á grande contigo, mas trata la das unhas e continua a explorar tua inteligência, que para além de parecer ser bastante trabalhada há sempre potencial para mais, e preocupares-te com as Srªs Futéis Fachadas é perder tempo, e pior que essas colegas é o país todo,desde o governo, viver de fachadas e o interior, as bases o essêncial, que se lixem.
Olha........continua assim.

ass.Miguel Van Gogh(não tenho conta)

mfc disse...

Daaaaaasse... ora aqui está um texto de uma senhora das que eu gosto!

lampâda mervelha disse...

E deste tu pérolas a porcos..


...tinto da casa em restaurante chinês é sempre manhoso!


....mas uma língua e saliva nunca é manhoso!

:) *

MalucaResponsavel disse...

entendo-te... apesar e usar colares. bj

as velas ardem ate ao fim disse...

Texto fenomenal!

Vivem de aparencias...parzer nunca sentiram.

um abraço

Matilde Rebelo disse...

Há tempos fizeram-me um comentário parecido. Como se a dignidade se medisse pelo número de cm dos saltos, os meus que normalmente são de borracha, colados numas confortáveis botas "de agricultorA".

o das caldas disse...

Neste contexto a expressão "PUTAS QUE AS PARIU" não seria impróprio de uma senhora e muito menos ofensivo!!!
Seria sim a cereja em cima do bolo!!!

Putty Cat disse...

Eh Eh Eh Eh!!!!!!!!!!


Muito, mas muito bom!

Luis Eme disse...

o mundo está assim, é quase tudo a fingir...

Arnaldo Macedo disse...

Ora aqui está um texto de salto alto....
Gostei!!!!!

Kat disse...

Encontrei o teu blog por acaso mas penso q vou ficar fã...

Aqui esta a realidade dos dias de hj descrita directamente..
Nao passamos a ser mulheres apenas qd se usam carradas de acessorios em q quase n ves o q é natural...
Tambem eu ouço mts comentarios desses devido a tre um estilo descontraido e desportivo.. Parece q tem mais logica andar c dores de pes devido aos saltos do q um conforto fenomenal de tenis....

Adorei o teu post

Matilde Rebelo disse...

[nota: o agricultorA não tem nada a ver com as quintas que povoam o mundo virtual.]

alma de um louco disse...

Olá Estranha Pessoa

Olha, não me queres explicar como colocar essa protecção (tipo anti-plágio) que abre janelas e janelinhas quando clicamos com botão do lado direito do rato?

:)








(pouco protege, mas dá um ar de sua graça)

Anónimo disse...

Deparei-me com o teu blog acidentalmente, mas garanto-te que estou completamente rendida!
Este mundo vive de simetrias. Tudo o que é assimétrico é alvo de critica e de tentativa de formatação... No meu caso é porque gosto de usar salto alto e maquilhagem e NÃO ESCONDO que os prazeres são para ser vividos com muita saliva à mistura!
Fica bem e parabéns pelo post! ;)
*