sexta-feira, agosto 24, 2007

Chá, café ou laranjada?


Qualquer coisa que ainda não foi, é razão suficiente para ser sentida.
Se ainda não foi, é porque vai ser.
É como fazer um café.
Sentimos o cheiro.
O aroma.
O creme. O mexer da colher.
E o café ainda nem sequer está ao lume.
Qualquer coisa.
Sem o 'que'.
Mesmo não sendo o 'ainda'.
Não é razão para ser pensada.
Eu não penso no café.
Mas, já o sinto.
Foi.
Vai ser.
Sem o Ainda.

-
-
-

Açucar?
Não!!!
As coisas querem-se naturais.
Como os pés descalços.

11 comentários:

Carracinha linda! disse...

De um café bem forte e cheiroso precisava eu agora para ver se acordo!!!!


Fico contente por saber que ainda continuas aqui!!!

Beijocas e bom fim-de-semana!

Matilde disse...

sim... sente-se, aqui. Seja o café, seja o ar, seja o natural dos pés descalços...
Mas sente-se.
Espera... é a imagem - é a imagem que sinto! Sobretudo a imagem... ainda mais sentida com o que escreves...

Inté :)

Silvia Madureira disse...

Olá:

Adoro andar descalça.
Eu também sinto muitas coisas que ainda não são como se já fossem...penso que é a vontade de ter que apura os meus sentidos.


Beijos

Thiago Forrest Gump disse...

Não gosto do amargo!

MANDALAS POEMAS disse...

Hola, cordial saludo. Desde Barranquilla, Colombia, te envío un fuerte abrazo y mis felicitaciones por tu blog y en especial por su contenido. Te invito muy cordialmente a que visites el mio donde están consignados mis poemas. Estos poemas los puedes utilizar si lo estimas conveniente. Igualmente, si puedes, recomienda mi blog con tus amigos y contactos. Espero tu visita y tus valiosos comentarios.

www.mandalaspoemas.blogspot.com

Con afecto,

Víctor González Solano

Brain disse...

"As coisas querem-se naturais"

Como te subscrevo.
Como te gosto assim:
No teu natural.

Um beijo.

Anónimo disse...

O pé descalço é o pé natural é o pé de pisar a uva no lagar é o pé do bebé é o pé do velho deformado pelo tempo é o pé enfeixado no sofrimento e na dor é o pé de atleta de comichão e bolhas é o pé de salsa de um pisar diferente é o pé de chumbo do que se arrasta é o pé de meia dos mais poupados é o pé curto dos que não conseguem chegar é o pé canhão dos que nos chutam é o pé de galo dos que arriscam é o pé natural do pé descalço que mesmo calçado sofre o estigma do pé descalço prá vida mesmo andando em pezinhos de lã.

Alberto Conte

Miudaaa disse...

Revejo-me na simplicidade do teu sentir "as coisas querem-se naturais, como os pés descalços!"

Não ao açucar no caféee
Não ao sumo de laranja que nao seja natural.

Abraço da miudaaa

mariazinha disse...

até gosto mais dos "preliminares" do café do que do café em si... é o café imaginado e antecipado... como tantas coisas na vida!

beijos

Iu disse...

Basta sentir, que o que está para ser já o é.

E assim vivemos mais um dia.

webi disse...

imaginar é voar...e kem n gosta de imaginar as coisas sem as sentir...
~por momentos imaginei esse cafe eheheh