domingo, novembro 11, 2007

Cholé



Corredor.
Nove e pouco da manhã.
Pergunto: Faz hoje um mês que te conheci, e nunca vi o teu sorriso.
Resposta: A vida não me dá tempo para isso.
Respondo: E dá-te tempo para quê?
Resposta: Para nada.
Respondo: Mata-te, não estás cá a fazer nada!
..
Nunca mais o vi.
...........

.........
No fundo a vida são como as meias.
Um todo por metade.
E calçam-nos o caminho!
Não há tempo para nada, dizem alguns!
O que se tem, há que ser por inteiro, digo eu!
Caso contrário, não vale a pena.
E há que sê-lo de todas as cores.
Maneiras.
E feitios.
Sorrisos?
Há sempre tempo para isso..
Rancor???
Nunca mais o vi.
O corredor tinha duas portas.
Aliás, tem uma janela.
E essa, aiiii essa vejo-a todos os dias.
Faz hoje um mês que te conheci, e ontem vi o teu último sorriso!

São agora cinco da manhã.
E sinceramente?
Não tenho saudades tuas.
É que, aqui só para nós....
Já calcei as minhas meias!
... e calcei-as por inteiro!

Ide em paz, e que o cholé te acompanhe!
Amén!

10 comentários:

veni_vidi_scribi disse...

Só as pessoas que não dão valor ao que fazem dizem que a vida não dá tempo para fazer nada...

Putty Cat disse...

Eu costumo dizer:

Sorri, enquanto tens vontade e dentes para isso (e enquanto podes pagar um seguro de saúde que te permite ter uma saúde oral em condições)!


E isto, é das poucas coisas que digo e efectivamente pratico.

little_blue_sheep disse...

:s
*

Brain disse...

O sorriso é o que nos precede,
Sempre.

É muitas das vezes,
A nossa única forma de apresentação.

Eu gosto que o meu sorriso me apresente.

E... uso sempre meias.
As duas!

Beijo.

Ela disse...

Por inteiro sempre.


Inteira.mente belo.





Beijo,boa semana

Pedro Jorge Moreira da Silva disse...

gostei do que li voltarei
pedro

Carracinha linda! disse...

Se a vida são como as meias, a avaliar pela foto, tens uma vida muito colorida e animada!


Que o rancor se perca. Que o sorriso perdure.

Bjs

melgadoporto disse...

Não resisto a mandar uma boquita :)
E faço-o porque estarei no mesmo ponto do universo que tu.
Aquele ponto de não retorno.
Estou lá pelo “ou tudo ou nada…”
Simples “dito” que nos empurra para buracos negros.
Aqueles que “engolem” tudo.
Depois falamos em portas que se fecham e outras que se abrem.
Quem disse sequer que queríamos que tivesse portas.
Janelas para respirar, sim!
Portas para sair, não sei!
Não sei mesmo…
:)

Sandman of the Endless disse...

;)
oi, querida!
beijo grande!

POETA VAGABUNDO disse...

...adoro-te menina...
beijo vagabundo