quinta-feira, maio 07, 2009

Mário, 7 anos, 1.ª Classe

- Madrinha, hoje não tenho trabalhos de casa.
- Ai não??? Então porquê?
- Fui a um passeio da escola, à Lourinhã. A uma exposição de Legos.
- :) E gostaste?
- Gostei, tinha lá a Torre Eiffel só com peças pequenas e ás cores. De todas as cores. Olha, tu é que podias lá levar a tua turma.
- Mas, tótó os meus meninos já são muito grandes, eles já não iam gostar disso.
- Não faz mal, metes eles bébés só por esse bocadinho.
- Ai é?? E então como é que eu faço isso?
- Sei lá eu, tu é que és a professora...
Encolheu os ombros e saiu.

É por estas e por outras, que eu acho sinceramente que as crianças são do melhor que há :)

Paço de Arcos, 07 de Maio de 2009, 19h17m

11 comentários:

Matilde disse...

Eu levei os meus alunos de 7º ano...ehehe! E foram até os de 9º! E olha que gostaram!... :)

Priscila S.Lisboa disse...

Hahahahahahaha *.*

Ele deu uma baita manga pra tu chupa hahahahahahaha!!E encolheu os ombros e saiu...

Um ENORME sorriso =)

mfc disse...

Deslumbram-nos!

Maestro disse...

e eu acho tambem :)

as velas ardem ate ao fim disse...

Concordo contigo!

bjo e bom domingo

(bom saber que estas a dar aulas)

Anónimo disse...

:)

Branca disse...

Olá :)

Pois...

Para as crianças nada é impossível e a verdade é que conseguem fazer verdadeiros malabarismos!

Mas, também não estou a ver como neste caso :s

Concordo contigo, são mesmo fantásticas!

Beijinhos :)

knotkid disse...

"Sei lá eu, tu é que és a professora..."

Inda não parei de rir XD

Mαğΐα disse...

Olhó Lego...!

as peças amarelas tomadas com água antes das refeições são óptimas para a digestão!

Experimenta :P

Pedro Lopes disse...

pois

gosto de Lego
e brinco
faço-me puto
de mim

lampâda mervelha disse...

- Arminda, Arminda, gosto tanto de ti. Queres casar comigo?

- Oh meu querido, mas tu ainda não tens idade para casar, e quando tiveres já serei muito velhinha ou então já terei ido para o céu

- Não faz mal, vou-te buscar de helicóptero


Marco Neves, algures em 1983

Depois fui crescendo, e estupidamente deixei de entender como tantas coisas poderiam continuar assim... simples!