terça-feira, fevereiro 19, 2008

C(S)em kilómetros.

7h30 da manhã.
Chuva. Trovoada. Névoa.
Força bruta da natureza.
Água por todo o lado.
Quilómetros de fila.
Trânsito.
Loures envolto em água.
No carro ao lado uma criança chorava.
A mãe nervosa tentava a acalmar.
No carro da frente uma senhora de idade avançada.
Encostou. Tiveram que a ir buscar.
Lá mais à frente não travaram.
Choque imediato.
O rio Jamor corria a uma velocidade atroz.
Não havia semáforos.
Trovoada.
E a criança chorava compulsivamente.
No meio disto tudo.
Um ou dois carros de uma escola de condução.
O Pedro Ribeiro da Comercial insistia em dar notícias do trânsito.
Pedras.
Pedregulhos no meio da marginal.
Parecia que o comboio podia a qualquer momento saltar para o asfalto.
O Tejo com cor baça.
Ondas desconcertadas.
E aquela criança sempre no carro da frente.
Pensei na senhora que ficou lá atrás.
Na RFM diziam para as pessoas não saírem de casa.
Culpavam a Maria Elisa do programa da noite anterior.
Vento. Ramos de árvore.
Duas mortes. Um desaparecido.
A natureza é mãe.
Mas, quando quer é tão madrasta.

3 comentários:

Poderoso disse...

vi ke vc se intereça por coisas fora do normal passe no meu blog e de sua opiniao se gosta dessas coisas

O das Caldas disse...

7H30? E eu convencido que tinha uma vida dura a trabalhar o barro!

Brain disse...

A natureza.
É!
A FORÇA!!!!!

Um Beijo meu.