domingo, setembro 02, 2007

Desconhecida

Não sei de que prosaico ‘sou’ eu feita.
Não é segredo.
O ‘feita’.
Já o ‘sou’ é de cá uma maneira impressivo.
Perturba-me esta minha maneira estupidamente parva de sentir tudo com afecção.
Caí um qualquer sobrolho.
Não, não pensem que é desgraça.
Não quero isso.
Tomem atenção.
Do que eu falo é bem maior que isso.
É daqui.
Sim.
Bem daqui de um qualquer lugar bem conhecido.
Desconhecido?
Não sei porquê.. Estejam atentos minha gente.
Eu não escondo nada.
Eu não sou triste.
Apenas, a minha boca roça o insano.
E roça roça roça… E toca a própria loucura.
Isto não são palavras.
Isto é o meu rosto.
Que num impulso pode dizer tudo.
E nesse mesmo repente revela que afinal…
Eu não sou nada.
Nem quero ser tudo.
Apenas quero o que de meu tenho direito.
Um gesto.
O gesto.
Com distracção?
E roça roça roça… E toca a própria loucura!
Imensa nudez demente.
Sou uma imbecil.
Uma terna e eterna imbecil que insiste.
Insiste ‘insanamente ‘ nessa qualquer coisa abandonada!
Desejos.
.. apenas.. desejos.

Digam-me o que eu não posso!
Que eu desejarei esse posso como um não nunca dito.
Posso estar nua.
Posso ser a nua.
A minha agonia não é o vestir.
É antes o dizer dessa vestimenta.
Logo eu, que nem vestimenta tenho.
Estou nua.

Lamento mas, não tenho nenhuma história para vos contar.


9 comentários:

Brain disse...

Estes teus quereres,
Que te fazem roçar o limite do humano,
Que te levam e elevam para a áurea da condição humana,
São o que melhor te definem,
Nisso,
Estamos os dois de acordo.

Indiquem-me o limite,
Que o meu objectivo,
Será ultrapassá-lo!
SEMPRE!

Sabes Estranha?
Já te entranhei!

BEIJO!

(PS:F-A-B-U-L-O-S-O!!!!!!!!!!!!)

Rafaela disse...

Quando me Beijas
Tomas minha alma
E adota meu corpo
Beijas-me na boca da noite
E pelas calçadas das ruas
Exala-se o perfume
Da flôr de nossos beijos
Tua suave boca Sobrepõe a minha
E adota meu corpo
Quando me beijas
Tornas minha alma
Parte de tua cobiça.

Uma ótima Semana!! Beijinhos!!

Carracinha linda! disse...

Depois de ler este texto...nem sinto falta de contares uma história.

O texto está genial!!!!!

Grande beijo!

Branca disse...

Não? de certeza?!
Queres contar algo melhor do que aquilo que és realmente?!
Tu contas-nos, tu mostras-nos quem és, essa é a melhor história que se pode contar...

Beijinhos e boa semana :)

rui disse...

Olá Estranha Pessoa

És feita de finíssimas camadas da mais pura sensibilidade
Sentes tudo, sentes muito… tudo.
É bom…é mau? Não sei, mas prefiro quem sente.
“Isto é o meu rosto”, gostei de ver o teu rosto, é belo.

Grande abraço
Do senhor do mar

Rocha de Sousa disse...

Bravo, não sei como cheguei aqui mas talvez tenha «estranhamente» tido conhecimento pelos blogs, es-
te e o meu (desenhamento). Belo espaço, este, de uma organização
cuja visualidade gráfica nos faz
roçar roçar roçar o espanto.
Não tem história para contar porque não há nenhuma história para
contar.
Experimente roçar uma pedra na outra, talvez saia desse acto uma
faisca. Já é um princípio de história ou da História.
Hei-de vir ler estas não histórias,
não quero ser chocarreiro. Gostei
mesmo.
Rocha de Sousa

Ela disse...

"Posso estar nua.
Posso ser a nua."


Podes ser mulher.

Podes ser A mulher.

Desconhecida.

Poema. Belo.

Belo. O Poema.teu.
_________

Beijo

Anónimo disse...

Continuas a ter a árdua tarefa de me saciares com as palavras dos teus pensamentos, mas vejo que a tua performance não tem limites.
Sabes que levas as pessoas a sentirem
Sabes que me levas a sentir
Sabes que não és louca
Sabes que isto não é loucura
Sabes que podes, sei que podes, sabemos que podes
O teu poder é o limite da escrita, critica, falta-te critica
Leva-nos contigo por todos nós, despe-te e deixa-me a nu, critica mas leva-nos.

Alberto Conte

Daniela Mann disse...

Um abraço da Daniela