segunda-feira, setembro 10, 2007

Maddie

Estamos em pleno século XXI.
Toda a gente sabe isso.
Ano 2007.
Mês 9.
Pronto.
OK.
Estamos em pleno século XXI.
E passo na rua e oiço assim:
Isto nem parece deste século.
E vou ao café, e outra vez a mesma proposição.
No talho.
Na mercearia.
No banco.
Na peixaria.
E que grande peixaria que fazem por aí..
.. porque realmente toda a gente grita:Isto não é deste século.
Ah pois não é não meus amigos!
Não é deste século existirem milhares de crianças com fome.
Não é deste século as pessoas não terem tempo de olharem umas para as outras mas, com olhos de ver.
Não é deste século existir centenas de milhares de seres humanos analfabetos.
Não é deste século que tantas tantas mulheres percorram quilómetros de chão com tinas de água… por aquela África, que se diz em franca expansão.
Definitivamente não é deste século existirem miúdos a chorar por um qualquer jogo de vídeo, e outros tantos que jogam à bola com um quadrado feito de trapos.
Esses não choram.
Esses sorriem.
Não é deste século o sorrir.
Mas, já é deste século dezenas de figuras públicas doarem milhares de Euros para um dito ‘chá inglês’.
E o ‘café português’?
Nunca se lembraram dele porquê?
Ora, se essas figuras públicas ajudaram o Inglês, é porque o puderam fazer.
Acho tudo muito certo.
Bonitinho, portanto!
Mas, não ajudaram antes as dezenas de mães e pais portugueses, porquê?
Ausência de mediatismo!
Sim..
Realmente isto é deste século..
Marcas de tinta cravadas no meu cérebro.
.. a tocar o miocárdio!

Desculpem esta curvatura na minha escrita.
Mas, há realmente ‘coisas’ que me metem nos nervos…
Peixarias, portanto!

… há peixes que morrem pelo anzol.
E outros tantos, pela ganância do… isco!

13 comentários:

sendyourlove disse...

As preocupações de hoje são tão passageiras...Passa na televisão:É
Não passa deixa de ser...Africa? isso fica lá para baixo não é?...Ah pois o continente dos safaris...
O que não é deste seculo, não são as desgraças que são de todos os tempo, mas a frieza com que lidamos com elas...Triste, demasiado triste a maneira como temos "sentimentos" tipo fast food.

Brain disse...

Porque,
Os meus nervos,
Não aguentam o tanto,
Que nos olhos me surge,
Que nos ouvidos se infiltra,
Que no sentir me rebenta,
Também eu,
Num gesto silencioso,
Me junto a este teu escrito,
Subscrevendo-o,
Por inteiro!

Beijo Estranha.

Miudaaa disse...

Execelenteee.
Oportuno.

Continuo a defender acérrimante que muito embora os media tomem conta de tudo o que é jornais, telejornais e afins a verdade é que em pleno sec. XXI, nós humanos, já tinhamos tempo para ter aprendido percebido ou qqlr outro verbo acabado em "ido", para ter os pés na terra e pensar por si próprio, porque um bom argumento, será sempre um mau argumento, quando defendido por uma outra pessoa.

Haja Paciencia!!!

Abraço, miudaaa

Miudaaa disse...

TanTooo erro:

Excelente*
Acerrimamente**

stela disse...

Certíssimo!
Parece-me que não sei em que século estou! ou talvez desconheça as regras!
beijinhos

Branca disse...

Bem dito! Eu assino contigo as tuas palavras se me permitires...
E não acrescento mais nada, não vale a pena, a essência está aí!

Beijinhos e boa semana :)

Putty Cat disse...

Estranha:

Disseste tudo.

Nada a acrescentar.

Beijo

Carracinha linda! disse...

Existem coisas que de facto revoltam bastante. Para mim a mediatiza�o deste caso foi longe demais. Foi uma menina inglesa que desapareceu em Portugal. E pronto, circo armado. Mas e se tivesse sido ao contr�rio: uma menina portuguesa desaparecida em Inglaterra? Teria o caso atingido a mesma mediatiza�o? Seriam os pais protegidos? Ou seriam logo apuntados como imbecis por deixarem os filhos sozinhos em casa? Oxal� o desfecho deste caso seja r�pido. E que descubram onde est� Maddie. Duvido que esteja viva...mas espero que se venha a saber onde est�...

João Filipe Ferreira disse...

e há peixes que morrem com a poluição:)

ps: ja mandas te o texto pa colectanea?
e pa quando a capa do teu livro?:D
beijinhoo

vida de vidro disse...

E tens toda a razão para essa revolta. Há aspectos da mediatização deste caso absolutamente incríveis. Só vendo o que se pode fazer quando se tem as ligações certas!
Voltei. **

APC disse...

Não deveria ser de tempo nenhum a falta de identidade com o tempo que vivemos. Significa que não vivemos o tempo que nos é dado. Sobrevivemos num tempo sem tempo para nós. É uma perda de tempo!

Thiago Forrest Gump disse...

Fico a imaginar o próximo século...

Peter from Porto disse...

Muito bom o teu "grito de revolta".

É bom sabermos que não somos os únicos com vontade de gritar, de mudar este Mundo desgovernado de Valores... Aproveito aqui para deixar uma das minhas "máximas" favoritas: "... O Mundo em que vivo repugna-me, mas sinto-me solidário dos Homens que nele sofrem..." Camus