sábado, setembro 09, 2006

Ou até se não puder ser...

[Montejunto, Agosto de 2006, FF]


O que há em mim é sobretudo cansaço

O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas -
Essas e o que faz falta nelas eternamente -;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo,
Cansaço...

Álvaro de Campos






Estou.
Ando.
Deveras cansada.

É este cansaço.
Mesmo este.

[Parque dos lápis - Cadaval, Setembro de 2006, FF]

5 comentários:

Tia Cremilde disse...

quando se trata de cansaço a melhor coisa é descançar... (que sábia que eu estou!!)

gostei do poema...

aproveite bem o fim de semana para lavar e descansar a alma e no entretanto não faça nada que a sua tia normalmente não fizesse!

Marina disse...

Q poema bonito...Gostei mesmo!
Tambem eu estou assim cansada...

O problema e qd passamos de "estar" cansados para "ser" cansados...

Mas quanto a mim nao ha nada como uma manha de sabado para me curar, mesmo sabendo q na proxima segunda ja vou estar cansada outra vez!

Beijitos e bom fim de semana

António Rosa disse...

Amiga "Estranha"

Álvaro de Campos é sempre bom de se ler.

Espero só que não seja um canasaço da alma.

Um beijo e obrigado pela tua visita.

António

vida de vidro disse...

Álvaro de Campos já deve ter nescido cansado e entediado da cabeça de Fernando Pessoa. Mas como eu o entendo! Para esse cansaço, só mesmo romper de qualquer forma com a rotina. Ele passa... por uns tempos! **

Estranha pessoa esta disse...

Tia Cremilde,

Tentei lavar a alma como sugeriu... Mas, penso que o 'sabão' que utilizei não foi dos melhores :P

Bênção tia **


Marina,
Tal como referes... o problema é mesmo esse quando passamos de 'estar' para 'ser'...
Espero que tenhas aproveitado bem a manhã de sábado :)
bjs


António Rosa,

Sim. Física mas sobretudo de alma.
Obrigado pela tua visita **


Vida de vidro,
Tens toda a razão quando referes que é importante romper com a rotina.
Aos poucos estou a tentar romper um pouco a rotina. Nem que seja com pequeninas coisas :)

Obrigado pela vossa visita.
bjs