sexta-feira, maio 26, 2006

Redução ao Absurdo


É certo e sabido que tudo tem a sua definição.
É só ir ao dicionário.
E TAU.
Lá está ela.
A bela da definição.

Mas, eu hoje não quero definições.
Preciso delas.
Mas... Não quero.

Toda a vida com a merda das definições.
E foi logo na primária.
"Ahhh não sabes?? Vai ver ao dicionário."
E na racionalidade da matemática.
"Ora bem, pela definição de números primos sabemos que bla bla bla"

Definições disto.
Definições daquilo.
Definições.
Definições.
D E F I N I Ç Õ E S.

Mas, já disse.
E repito.
Hoje não quero definições.
Farta de tentar encontrar definições para tudo e mais alguma coisa.
Não quero.
Preciso.
Mas, não quero.

Na matemática os Teoremas mais bonitos de se provarem/demonstrarem, provam-se por 'Redução ao Absurdo'.
Hoje eu quero isso.
Reduzir-me ao absurdo.

Sim.
É isso.
Reduzir-me ao absurdo.

Posso não conseguir demonstrar nada.
Não chegar a lado nenhum.
Isso hoje não me interessa.
Hoje só isto como está basta.

Não sei é porquê que basta.
Mas, basta.
Dá agonia.
Dá estranheza.
Dá sei lá o quê.

É esse sei lá o quê.

É como aquela bicicleta.
O que ela está ali a fazer?
Não sei.
Mas deixa-a lá estar.
Os porquês.
As justificações.
As razões.
Isso tudo hoje não me interessa.

Ela está lá porque provavelmente alguém a colocou lá.
Ou foi com o vento.
Ou já a fabricaram ali.
Sei lá.
Está lá porque está.

E este não sei o quê, está aqui porque... sei lá.
Não sei.

1 comentário:

inoxcrom disse...

gostei da musica... hehehehehehe